Qual é o problema?

Como vimos no post anterior, as pessoas sabem o que querem, uma solução para seus problemas. Só que, muitas vezes elas não sabem qual é o problema, ou pior, acham que sabem qual é o problema quando, na verdade, o problema delas é outro.

Muitas vezes as pessoas não sabem qual é o problema

Quando vamos pesquisar por problemas para serem resolvidos e conversamos com pessoas buscando por esses problemas, muitas vezes o que elas nos descrevem não é necessariamente o problema mas sim a forma como elas enxergam o problema ou, o que dificulta ainda mais, a forma como elas imaginam que seja a solução.

Por exemplo, voltando à questão do carro e da carroça do Henry Ford, imagine um diálogo imaginário entre Henry Ford e um hipotético Sr. Smith, um possível comprador de sua futura invenção:

- Sr. Smith, o que mais te aflige?
- Sr. Ford, o que mais me aflige é que passo pouco tempo com minha família.
- E por que?
- Porque passo tempo demais na carroça indo de um lado para o outro. Se eu pudesse colocar mais um cavalo puxando minha carroça, ela andaria mais rápido e eu passaria mais tempo com minha família.
- Ah, entendi seu problema, e tenho uma solução ainda melhor para você, chama-se automóvel.

Será mesmo que Henry Ford entendeu o problema? Ou ele entendeu a solução que o Sr. Smith apresentou para ele? Será que o problema real do Sr. Smith não era que ele passava pouco tempo com a família e talvez precisasse rever sua lista de afazeres fora de casa?

Enfim, esse foi um diálogo hipotético, mas acho que deu para ter uma idéia de como é fácil a gente querer pular logo para a solução sem gastar tempo suficiente tentando entender exatamente qual é o problema. Um bom entendimento de qual é o problema vai ajudar em muito a fazer um bom produto web.

E às vezes as pessoas não sabem que têm um problema

Imagine uma pessoa utilizando um sistema de internet banking. É comum quando uma pessoa vai utilizar um software ela fazer alguma coisa antes de utilizar o software, em preparação para usar esse software e alguma coisa depois, com o resultado do uso desse software. A pessoa pode estar tão acostumada a fazer essas tarefas que simplesmente não enxerga nisso um problema. Esse é o momento em que uma pessoa com o conhecimento do que é possível fazer com a tecnologia disponível tem a ideia de uma solução para um problema que ainda não foi percebido, mas que existe.

A grande questão nesses casos é saber se, pelo fato de o problema não ter sido percebido, quando o for, se ele realmente vai ser visto como um problema por muitas pessoas que estarão dispostas a pagar por uma solução. Se não for, não existe solução a ser vendida.

Devo solucionar problemas de quem?

Quanto mais próximas de você estiverem as pessoas que você vai pesquisar e para quem você vai eventualmente resolver o problema, melhor. A situação ótima é quando você está resolvendo um problema seu pois, nesse caso, você sabe exatamente o que esperar da solução. E é mais fácil descobrir problemas não percebidos seus do que dos outros. Há vários casos de startups que nasceram como soluções para problemas próprios. O ContaCal é um exemplo. Se vc solucionar um problema próprio, quando seu produto estiver pronto e vc o estiver usando, vc sempre terá alguém usando e criticando seu sistema, vc entenderá claramente o fluxo de interação do seu sistema. O único cuidado a ter é que rapidamente vc será um usuário avançado de seu próprio produto e vc não deve se esquecer sempre haverá novos usuários entrando, que nunca viram seu produto e precisarão de uma experiência de uso bem diferente da experiência de uso necessária para um usuário avançado como vc.

Olha que tecnologia bacana!

Uma tecnologia bacana não é nada se ela não resolve um problema. Como estamos cada vez mais cercados por novas tecnologias, é comum encontrar gente que vê uma nova tecnologia e logo pensa que daria um bom produto. Isso é muito comum no mundo das startups, ter uma ideia bacana baseada numa nova tecnologia e fazer um produto em cima dessa nova tecnologia, simplesmente porque agora é possível.

Startups não falham porque não conseguem desenvolver um produto. Startups falham porque não conseguem encontrar clientes dispostos a pagar.

Steve Blank

Uma tecnologia, por mais incrível que seja, se não resolve um problema, nunca será um produto.

Resumindo: problema + tecnologia = solução = ideia de produto

Resumindo, quando juntamos um problema, que nem sempre é fácil de descobrir, mas que quanto mais próximo estiver da gente, melhor, com a tecnologia capaz de resolver esse problema temos uma possível solução que pode virar uma ideia de uma produto.

Próximo post

Na próxima semana veremos o que fazer quando temos mais de uma ideia de produto nas mãos. Vou mostrar um caso prático pois, quando fiz o ContaCal, tinha mais outras 2 ideias de produto web que poderia fazer e acabei optando pelo ContaCal.

Comentários

Vc tem algum história interessante em que o usuário insistiu em dar a solução achando que era o problema? Compartilhe!

Livro sobre gestão de produtos

Vc gosta do tema gestão de produtos de software? Quer se aprofundar mais no assunto? Escrevi um livro sobre o assunto, dividido em 5 grandes áreas:

  • Definições e requisitos
  • Ciclo de vida de um produto de software
  • Relacionamento com as outras funções
  • Gestão de portfólio de produtos
  • Onde usar gestão de produtos de software
Capa do Livro Gestão de Produtos

Esse livro é indicado não só para quem tem software como seu core business, como tb para empresas que desenvolvem software sob demanda e empresas que não tem software como seu core business mas usam software para se comunicar com seus clientes como, por exemplo, escolas, bancos e laboratórios clínicos.

Interessou? Então adquira sua cópia hoje mesmo!

Newsletter

Se você quiser receber artigos por email sobre startup, gestão de produtos e gestão de TI, digite seu endereço abaixo e aperte enter:


Uma ideia sobre “Qual é o problema?

  1. Pingback: Problema ou necessidade? | Guia da Startup

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>