Planejando e preservando a cultura organizacional

Cultura é um conjunto de premissas que foram aprendidas e compartilhadas por um grupo de pessoas enquanto resolviam problemas de adaptação externa e de integração interna. Esse conjunto de premissas funciona bem o suficiente para ser considerado válido e, consequentemente, ser ensinado aos novos membros do grupo como a forma correta de perceber, pensar e sentir em relação a esses problemas.

A definição acima é Edgard Schein, professor do MIT, considerado um dos criadores do conceito de Cultura Organizacional.

A cultura é uma característica de toda empresa. Até mesmo dentro de uma empresa existem sub-culturas, ou seja, cada área ou time dentro de uma mepresa pode ter uma cultura própria. Por exemplo, a cultura de um time comercial tem sempre algumas diferenças da cultura do time de engenharia de software. Não existe cultura certa ou cultura errada. Empresas diferentes têm culturas diferentes e mesmo assim podem ter sucesso apesar dessas diferenças. A charge abaixo ilustra a diferença de cultura entre Amazon, Apple, Facebook, Google, Microsoft e Oracle. Mesmo com essas diferenças culturais, todas são empresas de sucesso.

cultura

A cultura vem dos fundadores da empresa. Os fundadores tem sua própria cultora e é natural que imprimam essa cultura na organização que estão criando. Em função disso, é muito comum se pensar que cultura é algo que emerge em um organização. O fundador traz sua cultura e ao contratar novas pessoas, busca sempre pessoas com cultura similar à sua. Isso acaba criando uma cultura comum muito próxima daquela traziada pelo fundador da empresa. Esse conceito de cultura emergente dá a impressão de que não se pode alterar deliberadamente a cultura, e que ela irá se desenvolver de forma orgânica.

Schein alerta que isso é um engano. Culturas podem e devem ser planejadas. Por exemplo, se você acha importante que na cultura de sua empresa o erro seja sempre visto como oportunidade de melhoria e aprendizado, você deve evitar ao máximo a busca por culpados e deve sempre direcionar as discussões, quando um erro acontecer, para o aprendizado com esse erro.

Recapitulando

Com esse artigo fecho o tema de dicas de liderança essenciais para qualquer gestor de produtos:

Comentários

E vc, que dicas vc tem para compartilhar sobre liderança? Deixe seu comentário!

Livro sobre gestão de produtos

Vc gosta do tema gestão de produtos de software? Quer se aprofundar mais no assunto? Escrevi um livro sobre o assunto, dividido em 5 grandes áreas:

  • Definições e requisitos
  • Ciclo de vida de um produto de software
  • Relacionamento com as outras funções
  • Gestão de portfólio de produtos
  • Onde usar gestão de produtos de software
Capa do Livro Gestão de Produtos

Esse livro é indicado não só para quem tem software como seu core business, como tb para empresas que desenvolvem software sob demanda e empresas que não tem software como seu core business mas usam software para se comunicar com seus clientes como, por exemplo, escolas, bancos e laboratórios clínicos.

Interessou? Então adquira sua cópia hoje mesmo!

Newsletter

Se você quiser receber artigos por email sobre startup, gestão de produtos e gestão de TI, digite seu endereço abaixo e aperte enter:


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>