Novas oportunidades vs melhorias no produto existente

    Essa é uma dúvida bastante frequente. Devo perseguir novas oportunidades? E o que faço com as dores dos clientes atuais? Devo desenvolver um novo produto ou uma nova funcionalidade? Ou devo resolver dores dos clientes atuais desenvolvendo melhorias em meu produto? Como fazer para balancear entre perseguir novas oportunidades e implementar melhorias no produto existente?

    melhorias-ou-oportunidades

    Aqui a solução é simples, pelo menos em teoria. Produto atual é produto atual, novas oportunidades são novas oportunidades. Cada um tem que ser tratada de um jeito. O ideal é que sejam tratadas até mesmo por times diferentes. Só que nem sempre isso é possível. Nesses casos, se quisermos perseguir novas oportunidades, esse time tem que saber separar claramente o trabalho no produto existente vs o trabalho nas novas oportunidades. Por exemplo, 2 semanas para o produto existente, uma para a nova oportunidade, até que se justifique a criação de um novo time para a nova oportunidade.

    Atenção: não é time de bugs

    Esse é um ponto importante. A ideia não é separar os times para ter um time fazendo coisas novas e outro corrigindo bugs do produto existente. Isso não funciona, pois vai criar uma separação muito grande entre os dois times. Quem faz coisas novas vai eventualmente acreditar que pode fazer qualquer coisa sem se preocupar tanto com qualidade já que existe um time focado em correção de bugs. Do outro lado, o “time de bugs” vai achar que está fazendo trabalho de faxineiro, limpando as bagunças que outras pessoas fazem.

    Oportunidades vs melhorias

    Antes de investir em uma nova oportunidade é muito importante entender porque está se investindo nessa nova oportunidade. Uma ótima ferramenta para isso é a análise de oportunidades. Sem um claro entendimento e correto engajamento de todos os envolvidos pode-se colocar a oportunidade a perder sem nem mesmo começar a explorá-la.

    Um ponto importante que todos os envolvidos devem entender é que uma nova oportunidade é uma nova oportunidade, ou seja, ela deverá gerar resultados que se somam aos atuais. Esses resultados deveriam ser suficientes para justificar a criação de um novo time para perseguir essa nova oportunidade. No mínimo, dois engenheiros de software. Idealmente, além dos dois engenheiros, seria bom ter um gestor de produtos, um designer de UX e uma pessoa de marketing de produtos dedicadas a essa nova oportunidade. Essa nova oportunidade irá ser um novo produto ou uma nova funcionalidade. Quando esse novo produto ou nova funcionalidade estiver pronto e lançado, quem trabalhou no seu desenvolvimento irá cuidar de seus bugs e melhorias.

    Enquanto isso, o outro time cuida do produto atual, ou seja, de melhorar o produto atual para que ele continue atingindo seus objetivos. Melhorar o produto atual significa sim corrigir bug, mas significa também fazer coisas novas no produto existente. Melhorias para tornar o produto melhor, mais útil e mais usável.

    Caso não seja possível criar um novo time, pode-se fazer compartilhamento do tempo do mesmo time. Algo como uma ou duas semanas para bugs e melhorias do produto atual e uma semana para a nova oportunidade, até que se justifique a criação de um novo time para a nova oportunidade.

    Como saber se é uma melhoria ou uma nova oportunidade?

    É responsabilidade do gestor de produtos, junto com o time, entender se esse algo novo que surgiu para ser feito é uma oportunidade ou uma melhoria. Mas como discernir entre melhoria e oportunidade? Especialmente quando o algo novo a fazer for uma nova funcionalidade do produto existente, devemos encarar como nova oportunidade ou melhoria do produto existente?

    Depende do esforço e do retorno envolvidos. Uma nova oportunidade deve ter um retorno alto para fazer sentido persegui-la. Lembre-se que uma nova oportunidade vai eventualmente ter um time só para cuidar dela, então é preciso que o retorno seja suficiente para justificar esse novo time. Se o retorno for incerto, é melhor não tirar energia do produto existente para perseguir essa nova oportunidade. Por outro lado, se houver a perspectiva de um bom retorno, qual o esforço de criar algo para explorar essa oportunidade? E qual será o esforço para manter esse algo? Essas duas perguntas devem orientar a forma de encarar. Se o esforço for baixo, esse algo novo pode ser tratado como uma melhoria e ser desenvolvido pelo time atual. Se o esforço é alto, é recomendável tratá-lo como nova oportunidade e considerar ter um time separado para fazer o desenvolvimento.

    Livro sobre gestão de produtos

    Vc gosta do tema gestão de produtos de software? Quer se aprofundar mais no assunto? Escrevi um livro sobre o assunto, dividido em 5 grandes áreas:

    • Definições e requisitos
    • Ciclo de vida de um produto de software
    • Relacionamento com as outras funções
    • Gestão de portfólio de produtos
    • Onde usar gestão de produtos de software
    Capa do Livro Gestão de Produtos

    Esse livro é indicado não só para quem tem software como seu core business, como tb para empresas que desenvolvem software sob demanda e empresas que não tem software como seu core business mas usam software para se comunicar com seus clientes como, por exemplo, escolas, bancos e laboratórios clínicos.

    Interessou? Então adquira sua cópia hoje mesmo!

    Newsletter

    Se você quiser receber artigos por email sobre startup, gestão de produtos e gestão de TI, digite seu endereço abaixo e aperte enter:


2 ideias sobre “Novas oportunidades vs melhorias no produto existente

  1. Eu passei por esse problema da divisão das equipes em uma MULTINACIONAL.

    Criaram uma equipe que cuidaria dos prospectos e deixaram a nossa equipe suportando os clientes já implantados. Em determinado momento, a equipe dos novos projetos começou a entregar com cada vez menos qualidade, apoiada na sensação de que haveria alguém para remendar o software depois.

    Já a nossa equipe se via às voltas sendo considerada como suporte, mesmo sendo formada por desenvolvedores experientes, e sempre trabalhando no limite e com prazos estourados.

    • Oi Diego,

      Obrigado por compartilhar sua experiência! Esse é mesmo um risco em separar os times dessa forma. O ideal seria que esse time de prospectos cuidasse dos prospectos depois que esses prospectos virassem clientes, assim eles teriam a preocupação de cuidar da qualidade de suas entregas.

      Abs,
      Joca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>