Guia da Startup para não startups

Os próximos posts serão sobre como usar tudo o que foi mostrado aqui no Guia da Startup em empresas estabelecidas. Para isso vou classificar empresas estabelecidas em três diferentes grupos, tema de cada um dos próximos posts:

  • empresas de software não web: existe uma quantidade enorme de empresas de software que fizeram seu software antes de existir a internet. Nessa época, software era vendido em caixas que continham disquetes ou CDs de instalação e o manual do software. O que essas empresas vendem é a licença de uso desse software e, muitas vezes, um valor anual de suporte que dá direito a upgrades de versão durante aquele ano. Com a internet, essas empresas passaram a distribuir seu software via download, com manual disponível online. Contudo, essa não é melhor forma de usar a internet para distribuição de software. Com a internet veio a possibilidade de oferecer softwares para serem usados de forma remota, ou seja, passou a ser possível usar um software que não está mais rodando no equipamento do cliente e que não precisa ser administrado pelo cliente. Isso abre um monte de oportunidades para quem desenvolveu software não web, pois já tem clientes, já sabe que problema esses clientes precisam resolver e já resolveu esse problema com um software não web. Agora é preciso pensar em como resolver esse problema com um software web.
     
  • empresas de desenvolvimento de software sob encomenda: são as empresas que fazem software e site sob demanda para seus clientes. Esse tipo de empresa pode se beneficiar do Guia da Startup de duas formas. Uma forma é usando as técnicas discutidas aqui para criar um produto que gere uma receita mais constante que o trabalho sob encomenda. A outra forma é usando as técnicas aqui apresentadas para desenvolver sites e sistemas web melhores para seus clientes, eventualmente vendendo serviço de consultoria não só de desenvolvimento de software e sites, mas vendendo tb serviço de gerenciamento de software web e de sites.
     
  • empresas que não têm desenvolvimento de software como sua atividade primária: toda empresa já estabelecida tem ou terá um site e, eventualmente, esse site poderá evoluir para um sistema web que pode ser um site de ecommerce, para vender os produtos da empresa, ou um sistema de acesso a informações exclusivas de cada cliente, ou um internet banking para um banco, ou um sistema para agendamento de consultas, sessões de tratamento e exames para clínicas, ou um sistema de notas e acompanhamento para faculdades, ou um sistema para acompanhamento das obras para construtoras, ou…
     

Índice

Se vc está chegando agora ao Guia da Startup, temos um índice que ajudará vc a navegar pelos artigos já escritos.

Próximo post

No próximo post vamos falar sobre como as empresas de software não web podem usar as técnicas do Guia da Startup para criar e gerenciar um produto web rentável.

Provavelmente não conseguirei postar na próxima semana pois estarei preparando minha palestra para apresentar no Encontro Locawebde Profissionais de Internet em Porto Alegre, no dia 10/05. Minha apresentação será às 14:20. Se vc estiver por lá, apareça para conversarmos!

Comentários

Ao invés de perguntar sobre esse post, que é apenas uma introdução aos próximos três posts, eu gostaria de saber que assuntos vc gostaria que eu abordasse. Com os próximos três posts, mais um sobre livros recomendados, eu completo o conteúdo que eu queria apresentar aqui no Guia da Startup e que vou transformar em livro em breve. Após a publicação do livro, vou continuar postando sobre o tema de criação e gerenciamento de produtos web rentáveis aqui no blog, mas com frequência menor, provavelmente uma vez por semana.

Contudo, gostaria de saber se vc sentiu falta de algum assunto, ou se achou que algum assunto não foi abordado com a devida profundidade. Assim posso orientar com seu feedback os posts futuros e a primeira versão do livro! :-)

Livro sobre gestão de produtos

Vc gosta do tema gestão de produtos de software? Quer se aprofundar mais no assunto? Escrevi um livro sobre o assunto, dividido em 5 grandes áreas:

  • Definições e requisitos
  • Ciclo de vida de um produto de software
  • Relacionamento com as outras funções
  • Gestão de portfólio de produtos
  • Onde usar gestão de produtos de software
Capa do Livro Gestão de Produtos

Esse livro é indicado não só para quem tem software como seu core business, como tb para empresas que desenvolvem software sob demanda e empresas que não tem software como seu core business mas usam software para se comunicar com seus clientes como, por exemplo, escolas, bancos e laboratórios clínicos.

Interessou? Então adquira sua cópia hoje mesmo!

Newsletter

Se você quiser receber artigos por email sobre startup, gestão de produtos e gestão de TI, digite seu endereço abaixo e aperte enter:


2 ideias sobre “Guia da Startup para não startups

  1. Olá Joca,

    Hoje se é muito falado e utilizado o Business Model Generation. Você utilizou a ferramenta do BMC (Canvas) no ContaCal? Se sim, poderia compartilhar da experiência e do poster?

    Grato.

    • Oi Erich,

      Não utilizei o Business Model Canvas, apesar de achá-lo bem interessante. O BMC me parece mais focado para empresas já andamento. E é genérico, ou seja para qualquer tipo de empresa. Do BMC, eu gosto do livro, o Business Model Generation, mais do que canvas propriamente dito, especialmente as partes 2 (Patterns) e a parte 3 (Design). A parte 2 ensina diferentes modelos de negócio que podem ser utilizados. Já a parte 3, que eu acho a mais importante do livro, ensina várias técnicas para entender o problema ou a necessidade do cliente. Se essa parte não estiver certa, o resto dificilmente vai pra frente.

      Para startups, o Lean Canvas do Ash Maurya é mais apropriado, pois fala em problema, solução, métricas o que, numa startup, é fundamental estar bem claro.

      http://www.ashmaurya.com/2012/02/why-lean-canvas/

      Por outro lado, mesmo o Lean Canvas tb é genérico, ou seja é aplicável para qualquer tipo de empresa. Ele traz questionamentos que, para uma startup de produto web são um pouco de “overthinking”. Por exemplo, “channels” para uma startup de produto web é a web. “Revenue stream” são aqueles que comentei em:

      http://www.guiadastartup.com.br/como-ganhar-dinheiro-com-seu-produto-web/

      Por isso, acho bacana tanto o BMC quanto Lean Canvas, pois eles nos fazem pensar em vários pontos interessantes. Contudo, para um produto web, usá-los pode ser um pouco de “overthinking” demais.

      Abs,
      Joca.

Deixe uma resposta para Erich Kist Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>